A típica Testemunha de Jeová acredita que uma transfusão de sangue é má medicina e o equivalente a jogar roleta russa. Eles foram tão intensamente doutrinados sobre os riscos pela Sociedade Torre de Vigia, que simplesmente pensar a respeito é totalmente repugnante para muitos deles. Por estranho que pareça, não é incomum ver estes medos irracionais persistirem até mesmo em ex-Testemunhas de Jeová por muitos anos depois de deixarem a Sociedade Torre de Vigia.

As Testemunhas de Jeová mais velhas podem se lembrar quando os membros tinham basicamente essa mesma atitude em relação ao uso de vacinas e transplantes de órgãos, quando estes foram proibidos de 1930 até o final da década de 1970, mas isso é em grande parte desconhecido pela maioria dos membros atuais com idade inferior a 50 anos.

É uma afirmação justa que os escritores da Torre de Vigia não são confiáveis quando se trata de questões da ciência. Literaturas e estatísticas antigas demonstram tanto seu preconceito quanto desonestidade. A falta de objetividade é terrível quando você considera que as decisões de vida e morte são feitas com base nessas informações e, frequentemente, essas decisões envolvem crianças e adolescentes.

Isso não quer dizer que os produtos sanguíneos são isentos de riscos. Isso inclui a vasta gama de produtos derivados de sangue aprovados para uso pela Sociedade Torre de Vigia. A questão real se resume no risco versus benefício. Se existem alternativas que possam ser empregadas pelos médicos, eles geralmente preferem usá-las por uma variedade de razões. Infelizmente, nem sempre são alternativas viáveis para produtos do sangue.

O diagrama a seguir é de um artigo escrito pelo advogado Kerry Louderback Wood no Jornal Igreja e Estado, e mostra qual tem sido o risco de transfusão para hepatite B, C e HIV ao longo das últimas quatro décadas:

Claramente, os riscos são muito menores do que o sugerido pela Sociedade Torre de Vigia. Você pode ler a Brochura Sangue no site jw.org e ver que mesmo agora em 2017, eles continuam a publicar a taxa de risco de 1 morte por 13.000 transfusões. Isto apesar do fato que o risco real de morte ser inferior a 1 por 2.000.000. (1)

Você tem uma chance maior de morrer por um raio do que por uma transfusão de sangue.

Se você está avaliando o risco de usar um produto derivado de sangue, aqui está o que você deve saber:

1. Os riscos devem ser pesados contra os benefícios. A maioria destes produtos sanguíneos são prescritos para indivíduos muito doentes. Você deve considerar não só o risco de usar o produto de sangue (não apenas com base se é ou não aprovado atualmente pela Sociedade Torre de Vigia), mas também o risco de não tomá-lo.

2. Nem a Sociedade Torre de Vigia, os anciãos em sua congregação ou mesmo os anciãos das Comissões de Ligação com Hospitais estão qualificados para ajudá-lo a avaliar a relação risco-benefício para as suas condições médicas particulares ou situação. Discuta o assunto com o seu médico, faça sua própria investigação se possível, e não seja indevidamente influenciado pela Torre de Vigia ao implantar fobias.

3. Muitos dos produtos sanguíneos mais problemáticos são exatamente os aprovados para uso pela Sociedade Torre de Vigia. Isso é porque eles são feitos a partir de frações do sangue reunido de centenas ou milhares de indivíduos, aumentando assim o risco de exposição. Isso não quer dizer que o risco excede o benefício embora seja bastante irônico que as Testemunhas têm permissão da Torre de Vigia para usar os produtos derivados de sangue mais arriscados disponíveis.

Ao invés de tentar documentar todos os riscos conhecidos neste artigo, nós vamos aqui apresentar os seguintes links de referência para a sua consideração. Em todos os casos, estamos convencidos de que você vai descobrir que eles são muito mais baixos do que a Sociedade Torre de Vigia quer nos fazer acreditar:

The Centers for Disease Control
The American Red Cross
The American Cancer Society