Meu filho era teocrático, brilhante, promissor e verdadeiro servo de Jeová. Ele sonhava em ir para Betel para servir a Jeová mais plenamente. Ele se preparava para as reuniões, era pioneiro durante as férias, cuidava dos microfones no Salão do Reino, e auxiliava o superintendente durante suas visitas. Ele até mesmo participou de discursos em Assembléias. Estávamos tão orgulhosos!

Ele estava com 15 anos e no 2º grau quando ele e outro jovem Testemunha sofreram um terrível acidente de carro. O outro rapaz estava levando meu filho para casa no Domingo quando perdeu o controle do carro na estrada e capotou. Eu fui uma Testemunha fiel durante 29 anos, e meu marido e eu treinamos nosso filho para recusar transfusões de sangue. Ele disse para os motoristas da ambulância, “Sem sangue!” e repetiu isto novamente no primeiro hospital antes que ficasse inconsciente. Quando ele foi conduzido ao centro traumático, ele foi transfundido imediatamente porque estava inconsciente.

Todavia, muito tempo havia se passado e ocorreu uma severa hemorragia interna que danificou o coração e outros órgãos. Quando nós chegamos ao centro de traumas, o doutor nos falou que ele teria pouca chance de sobrevivência sem transfusões de sangue, e que eles tinham lhe dado várias unidades quando ele chegou. Isto enfureceu meu marido mas eu não disse nada. Secretamente, eu esperava que os médicos lhe dessem sangue apesar de nossas duvidas se uma transfusão poderia salvar a vida dele. O doutor disse que reanimaram o coração dele duas vezes e isso gerou um vislumbre de esperança, mas vinte minutos depois, com lágrimas nos olhos, o doutor disse que não conseguiram reanimar o coração em uma terceira vez. Ele estava morto.

Meu marido, meus dois outros filhos e eu choramos, e choramos e choramos. Eu nunca soubera de tal angústia e dor física! Eu quis morrer. A dor era insuportável. Eu continuei pensando, teria ele vivido se tivesse transfundido sangue no primeiro hospital? Uma espiral de profundas mudanças começou em minha vida.

Quando você vê sua criança embrulhada em um lençol branco, com a face pálida e inanimada, não existe nenhum conforto. Eu levarei este quadro de meu filho sempre em minha mente, trajando a face da morte. Nenhuma palavra pode tocar aquele lugar em seu coração que morreu. A esperança da ressurreição não significa nada quando você não pode ver ou tocar a criança que encheu sua vida de alegria. Nunca o verá sorrir para você, se alegrar com você, ou lhe dando um abraço pelos dias que hão de vir. Jamais o ouvirá dizer, “eu te amo” novamente. Eu já sofri dor, mas nada se comparou a dor de perder meu filho amado. Seu corpo inteiro é entorpecido com a dor física mais horrível que uma pessoa pode sentir. Eu já sofri dor, mas nada se comparou a dor de perder meu filho.

Eu rezo para que qualquer Testemunha de Jeová que tenha filhos e lê este artigo nunca tenha que enfrentar tal perda como a minha. Uma perda que pode ser prevenida se elas tiverem uma verdadeira compreensão do que a Sociedade Torre de Vigia está lhes pedindo que sacrifiquem. Depois que meu filho morreu, eu percebi dúvidas me importunando sobre a política do sangue da Sociedade. Ela precisa ser investigada completamente. Eu simplesmente não poderia ter perdido um filho por regras que segui por mais de 29 anos.

Eu aprendi que ao longo dos anos, as Testemunhas mudaram muitos ensinos sobre o sangue e que o Corpo Governante estava a ponto de mudar mais uma de suas doutrinas sobre o sangue. Por que são permitidas algumas partes do sangue quando outras não o são? Onde eles acharam isto na Bíblia? Além disso, se a Bíblia não diz nada sobre transfusões, como o Corpo Governante pode dizer com certeza que transfusões de sangue estão erradas aos olhos de Jeová? Como eu poderia perdoar esses homens pela morte de meu filho? Em minha opinião, os homens do Corpo Governante têm o sangue de muitos inocentes em suas mãos. Eles que nos ensinaram falsamente em nome de Deus, são também responsáveis perante Ele.

Meu coração está completamente partido, minha criança está morta. Eu imploro a você que leu minha história, que não deixe isto acontecer a você. Eduque-se agora antes de se ver diante de uma tragédia semelhante. Se qualquer criança pode ser salva por seus pais, pensem agora ao invés de depois, talvez a morte de meu filho não tenha sido por nada.

Mary